Porque algumas pessoas não terminam relacionamentos ruins?

Relacionamentos ruins são mais comuns do que se pode imaginar! Diversas pessoas vivem um relacionamento público diferente do relacionamento real e privado, são os famosos “casamentos de fachada”. Mas porque as pessoas se submetem a viver dessa forma? O que as impede de sair de um relacionamento que as torna infelizes?

Por mais que essas pessoas não sejam compreendidas, existem motivos reais e importantes para essa decisão. Essas pessoas não precisam de julgamentos, mas de um espaço para falar e pensar a respeito de tudo o que realmente está acontecendo, visualizando as possibilidades de forma realista e, somente assim, tomar uma decisão madura. 

As pessoas que não vivem o relacionamento escolhem olhar por um ângulo direto e simples, minimizando toda a dimensão dos conflitos pessoais. Esses conflitos envolvem muito mais do que lógica. Envolvem emoções, traumas, preconceitos, convívio social, crenças, saúde, entre outras coisas. Entenda como algumas dessas esferas podem influenciar a permanência de alguém em um relacionamento ruim. 

Medo de perder algo importante

Alguns apegos se tornam muito mais poderosos do que os prejuízos do relacionamento. Eles dão força para que a pessoa insista ainda mais, aumentando a esperança em resolver todos os problemas. Quando a esperança termina, resta o medo de tomar essa decisão e perder aquilo que é importante. Assim, as perdas parecerem priores do que a situação atual. 

Quando relacionamentos terminam a vida muda muito, especialmente se o relacionamento for longo e se as pessoas morarem juntas. Quanto maior é o envolvimento, maiores são as perdas. Essas perdas podem ser financeiras ou, até mesmo, a diminuição do convívio com os filhos e outras pessoas da família. 

Um exemplo disso é o forte envolvimento com a família outro, fazendo dela a sua própria família, isso faz a separação se tornar muito maior e muito mais dolorosa. Pois, desta forma haverá a perda do outro e também da família, com as pessoas com quem já construiu diversas memórias e gostaria de continuar próximo.

Costume ou ignorância

Algumas pessoas que vivem em relacionamentos ruins simplesmente não sabem o que é um bom relacionamento, porque nunca viveu ou nunca presenciou. Nascer em lares onde os pais vivem relacionamentos conturbados com brigas, traições ou divórcios faz com que a pessoa cresça acreditando que isso é normal e repita esses erros em sua própria vida. 

Quando pessoas assim vivem relacionamentos saudáveis, acham chatos, sem graça e sem paixão. Pois não estão acostumadas com a tranquilidade. Ainda que desejem relacionamentos saudáveis, precisam aprender a se comportar neles. As emoções que sentem nesses relacionamentos conturbados não são elaboradas, vivendo de emoção em emoção e criando discursos próprios para justificar toda a intensidade. 

Dúvidas sobre a decisão certa

Algumas pessoas têm medo de tomar uma decisão por impulso e se arrepender ou colocar fora um relacionamento que tem futuro. Por isso, ficam postergando a decisão do término indecisas em relação ao que pensar. Divididas entre os momentos bons e ruins, não conseguem decidir para qual lado seguir. 

Desta forma, olham os relacionamentos ruins de forma confusa. Quando tudo está bem, olham só a parte boa, quando tudo está ruim, olham apenas o lado ruim… Essa dificuldade em avaliar o todo as faz postergar qualquer decisão ou postura que deveriam ter. São pessoas que podem e devem buscar a ajuda de um profissional

Não quer ser o vilão da história

Algumas pessoas acreditam que precisam ter um motivo muito forte para terminar um relacionamento infeliz, então a sua insatisfação constante é anulada por falta de motivos plausíveis. Além disso, alguns parceiros manipulam por meio da vitimização, fazendo com que o outro sinta pena dele evitando o término.

Desta forma, entende que será uma pessoa ruim se terminar, especialmente quando o outro se mostra dependente. O relacionamento se torna uma obrigação em ajudar o outro, mas toda a paixão e todo desejo de permanecer termina. Leia mais sobre manipulação e vitimização neste link.

Fachada social

Esse comportamento de fachada é comum em pessoas  que são  figuras públicas como pastores ou políticos. Eles mantêm o relacionamento, em maio a brigas e mágoas, para não perder a sua imagem social de casal ideal. Algumas pessoas  podem acreditar que seu sucesso está atrelado ao casamento e que ele é absolutamente relevante para a sua imagem social..

Necessidades financeiras

Este problema é comum e pode acontecer com homens e mulheres. Muitas pessoas se casam para dividir despesas e completar renda, por isso quando há uma separação é preciso se estruturar novamente, até mesmo avaliar a necessidade de encontrar um novo emprego. Como algumas pessoas têm pouco estudo e experiências em áreas que exigem tempo e não pagam muito bem, preferem continuar no relacionamento ruim e garantir o seu estilo de vida um pouco mais confortável ou seguro.

Author:
Formada em Psicologia e Teologia, ajuda casais e famílias desde 2016 com Técnicas comprovadas cientificamente.