Como agir ao desconfiar de uma traição?

Geralmente, quando uma pessoa começa a desconfiar de uma traição, se torna controladora e ciumenta, agindo mais pela emoção do que pela razão. Tudo isso, faz com que a pessoa perca a paz, se sinta infeliz e provoque brigas no relacionamento.

Essa atitudes tendem a criar mais problemas do que resolver. Pois, ela são tomadas com base na raiva e na decepção. Existam formas mais inteligentes e dignas de lidar com uma situação assim, veja a seguir.

Faça uma análise mental do relacionamento

Como vocês estão hoje como casal? Como anda a intimidade emocional? Um relacionamento é mais do que o status, é a entrega afetiva/emocional que acontece todos os dias. É importante analisar o quanto vocês gostam da presença um do outro e se as conversas ainda conseguem ser empolgantes.

Preste atenção no quanto ainda há de respeito mútuo. Por tanto, veja se o outro mostra que realmente se importa com seu bem-estar e se você também faz isso por ele. O cuidado em não magoar e a forma como se comportam ao lidar com discussões e brigas pode revelar muita coisa.

A admiração é muito importante para manter um bom relacionamento. Pois, só podemos gostar das pessoas que admiramos. Quando o casal pára de observar o que há de bom e de especial, a relação passa a ser substituível.

Avalie a vida sexual também. Esta, costuma ser uma projeção do relacionamento como um todo. Muitas pessoas costumam desconfiar de traição quando a vida sexual muda. O quanto se sentem atraídos, o quanto sentem prazer e, mais importante, o quanto permitem se entregar.

Esses são alguns fatores importantes para se pensar. As pessoas costumam procurar por pistas da traição, mas tudo começa dentro do relacionamento. A traição é só um sintoma dos problemas que já existiam.

Tudo pode ser só uma crise, talvez não haja traição em toda essa mudança. Mas se você está pensando em traição é porque algo está errado. Abrir o jogo com a outra pessoa pode ser o melhor, explicando quais as tuas percepções sobre a relação e buscar compreender como a outra pessoa está lidando com isso.

Pense nas reais possibilidades

Ainda que a traição não seja justificável, algumas situações levam á ela. Após avaliar a relação, você poderá medir se há ou não reais motivos para isso acontecer.

Você conhece o caráter e a personalidade do(a) seu(a) parceiro(a), isso ajuda á perceber se essa pessoa tem tendência ou não de trair. Tente pensar nisso de forma racional, afastando de qualquer sentimento que possa interferir no seu juízo de valor.

Ele(a) tem trabalhado mais, e o dinheiro vem mais também ou foram só as horas que aumentaram? O quanto de transparência ainda existe em relação às pessoas com quem o(a) parceiro(a) sai ou fala? Não entenda errado, você não é fiscal da outra pessoa, é que essas atitudes de compartilhar a vida pessoal e intima diz do desejo de estar contigo e devem ser feitas naturalmente, sem cobranças.

Mudou algo no relacionamento que justifique a mudança de atitudes? Algumas vezes o estresse do trabalho, mudanças de rotina e dívidas podem esfriar a relação e afastar o casal. Isso pode ser um instigador à traição ou apenas uma fase que logo passará.

Pode ser insegurança

Crenças como “homem(mulher) nenhum(a) presta” ou “mais cedo ou mais tarde, todo mundo trai” podem afetar a forma como você percebe a relação. O que esperamos das pessoas, sobre a forma como elas irão nos tratar, define muita coisa. Por isso, serve como um óculos, com o qual enxergamos a vida.

Pensamentos de uma realidade distorcida é bastante comum e segue alguns padrões que você pode ler no artigo “Pensamentos que machucam“. Eles podem realmente interferir na forma como as pessoas se relacionam. Por isso, é importante compreender a forma como você pensa.

Pessoas inseguras tendem a esperar uma traição ou por situações de rejeição. A insegurança pode ser um padrão da pessoa ou algo que foi construído a partir da relação. Por isso é importante avaliar o modo como você se sente em relação a si. Porque, o relacionamento não se trata somente do que o outro faz, mas do que você acredita, espera e faz.

Entre confiar e desconfiar

Pensando em tudo isso que leu, você consegue ter uma noção maior se essa desconfiança tem fundamentos ou não. Agir de forma impulsiva raramente é uma boa opção. Um relacionamento, por mais emoção que tenha, exige também racionalidade.

Se ainda tudo estiver bastante difícil e você infeliz, busque auxílio profissional. Uma orientação sobre relacionamentos e uma avaliação sobre essa situação podem esclarecer muito do que está latente e te faz desconfiar.

Author:
Teóloga e estudante de psicologia. Com experiência em dependência química, transtornos alimentares e relacionamentos conjugais e familiares.

Contact Us

Remarcações podem ocorrer até 3 hora(s) antes sem custo adicional