Pais que sentem medo de dizer não aos filhos

O amor é uma necessidade básica, que muitos pais temem não conseguir suprir. Esse medo, gera uma sequencia de comportamentos que podem não ser tão saudáveis para a relação familiar.

Do que os pais têm medo?

Muitos pais sentem medo de serem rígidos demais e privar os filhos de viver algumas coisas que podem proporcionar felicidade. Então, buscam ser liberais, acreditando que a vida também irá ensinar muitas coisas por conta própria.

Os filhos precisam vivenciar consequências, sim. Mas, com isso, é importante compreender qual o nível de maturidade que eles têm para lidar com a situação. Em algumas, a rigidez pode ser necessária.

Não dar amor o suficiente aos filhos é um temor comum dos pais. Os filhos são especiais para eles, e os pais querem que os filhos saibam disso. Por alguns momentos, quando dizem “não”, os pais precisam ter uma postura menos fraternal e ficam com medo que os filhos não se sintam amados.

Alguns pais acham insuportável frustrar seus filhos, entendem a frustração como um sofrimento grave. Por isso, fazem tudo o que o filho pede, a criança se torna a líder da casa, se torna a típica criança mimada. Quando os filhos desses pais se frustram, os pais sofrem mais que eles.

Dizer “não” tem a ver com amor

Seus filhos não irão te amar mais se você dar a eles tudo o que pedirem. O amor é resultado de respeito e admiração. Porém, preste atenção:

Se um pai ou um mãe mostra submissão ao filho, também demonstra que esse filho tem mais capacidade para determinar as coisas que deseja. Sendo assim, o filho é mais forte, logo não tem como admirar seus pais. Quando um filho manda e os pais obedecem, esse filho fica mais poderoso dentro da família, por isso não sentirá necessidade de respeitar os pais. Desta forma, o amor não tem como aumentar.

Um filho não vai admirar seus pais se ele se sentir mais forte, porque ninguém admira alguém mais fraco. Então, dar tudo aos filhos, faz o exatamente o oposto do que os pais esperam. Só podemos admirar exemplos que desejamos seguir.

Author:
Teóloga e Psicóloga. Com experiência em dependência química, transtornos alimentares e relacionamentos conjugais e familiares.