Saiba se você está criando um filho mimado

A maioria dos pais desejam dar o melhor para seu(s) filho(s) só que as vezes isso ultrapassa alguns limites que podem ser cruciais para o desenvolvimento da maturidade dos seu(s) filho(s). Nem sempre esse limites são claros, ensinar outra pessoa a viver é delicado demais e qualquer ação errada pode gerar consequências infelizes.

É realmente difícil negar algo a uma criança que pede com ingenuidade, princialmente se a ama muito! Essa tarefa nunca vai ser fácil, mas pode ser mais tranquila se os pais tiverem clareza dos motivos que levam a isso. Assim, se sentirão seguros e terão certeza que estão realmente fazendo o melhor. Para isso, segue uma lista de tarefas e lições que seu filho precisa aprender.

 

1- Realizar tarefas domésticas simples

Não é trabalho escravo, nem um forma de negligência, ensinar os filhos a realizar tarefas domésticas simples de acordo com a idade e capacidade deles, como guardar os brinquedos, limpar o quarto, dar água para o cachorro, tirar o pó dos móveis… Sempre com segurança, sem impedir que a criança realize as suas obrigações escolares, sem impedi-la de brincar e sem agredi-la. Ao dar tarefas para a criança, é importante estar junto com ela, trabalhando junto e dando suporte quando ela precisar. A intenção não é que o filho trabalhe para você, mas que ele aprenda a ser independente e responsável.

Pessoas que crescem sem precisar fazer nada. entendem que o mundo deve lhes servir, pois pensam que isso é amar e acreditam que sempre serão tratadas dessa forma. Ao enfrentar o mercado de trabalho e conviver com outras pessoas, não serão tratadas com mimos. Isso pode causar um grande sofrimento até na idade adulta, irão pensar que são odiadas por todos e poderão ser pessoas inseguras. Veja aqui quais tarefas domésticas seu filho pode fazer de acordo com a idade.

2- Fazer amigos

Algumas crianças não toleram lidar com outras crianças por que acham que elas se comportam mal, por serem competitivas ou por realizarem brincadeiras que não gosta. É importante que os pais saibam com quem os filhos andam, especialmente se forem adolescentes. Algumas companhias podem ser de fato prejudiciais, mas afastar ou permitir que os os filhos se afastem de contato social também irá prejudicar.

Incentivar os filhos a fazer amigos e ter relacionamentos sociais é importante para que ele consiga “ver o mundo” além do seu lar. Ao vistar a casa de um amigo, irá se deparar com outra cultura e formas de viver, irá conhecer outros ambientes e entender que o mundo é maior e que ele pode aproveitar isso para tornar a sua vida mais interessante. A comunicação no ambiente familiar também tem manias e limitações que, fora dele. não são adequados. Quando mais conviver com outras pessoas, mais habilidades sociais terá, isso facilita a sua vida acadêmica, profissional e pessoal.

3- Lidar com a ausência dos pais

Isso é extremamente necessário para que o filho aprenda a ser independente e seguro com a sua própria companhia. Dependendo da idade e da maturidade da criança, elas pode realizar algumas tarefas sozinha, como ir ao mercado e à escola, também pode ficar sozinho em casa por um período adequado, visitar amigos, viagens escolares…

O olhar vigilante e cuidadoso dos pais é muito importe e os filhos sempre irão precisar dele, mesmo depois de adultos pedem conselhos e a cia dos pais. Ao longo do desenvolvimento, as pessoas naturalmente vão alterando um pouco as suas necessidades. O cuidado é necessário, assim como a liberdade, o segredo está na dosagem de cada um, que muda conforme o filho cresce. Para uma criança/adolescente sentir-se seguro, é necessário que os pais demonstrem que confiam nele no cotidiano.

4- Pedir o que quer sem fazer escândalos

O famoso caso da criança que se joga no chão do mercado! Mas essa é só uma ponta do problema que começou em casa. Geralmente a criança começa a “testar” os limites dentro de casa, como coisas simples, como chorar e fazer birra para tomar mais refrigerante ou dormir mais tarde. Se os pais permitem que as crianças conquistem as pequenas coisas com as birras, elas vão continuar com esse comportamento e repeti-lo em mais situações, em mais lugares e diante de mais pessoas.

Dizer “não” é essencial para que o filho reconheça a autoridade dos pais e os respeite.  Aprendendo a respeitar os pais e a conviver em casa pacificamente, poderão fazer isso com as outras pessoas também. É importante que os filhos aprendam que existem outras formas de conquistar as coisas. Diga a eles que formas são essas e não recompense o mal comportamento dando ao seu filho o que ele quer até que ele aprenda a conquistar da forma correta.

5- Competir

Algumas crianças não gostam de competir porque não suportam perder ou ter que se esforçar para conseguir algo. Isso é um típico comportamento de crianças mimadas. O melhor a fazer, é estimular a competição desde as idades inciais, começando com jogos simples de tabuleiro, corrida, bola… Assim, a criança vai ter uma visão mais familiarizada desse comportamento competitivo, que se estenderá por toda a sua vida, principalmente no âmbito profissional.

Pessoas que não toleram a competição, podem desistir facilmente dos desafios que exigem mais esforço. O medo de fracassar os impede até mesmo de tentar algo diferente, prejudicando todas as áreas da sua vida – principalmente em seus relacionamentos.

6- Respeitar autoridades e pessoas mais velhas

Essa compreensão é essencial para o filho entender os relacionamentos de hierarquia. que se configuram em toda a sociedade, deste governos até as relações profissionais básicas. Também é importante para ele ter a noção de humildade, entendendo que existem pessoas que irão receber benefícios e poderes que ele não terá.

Respeitando a autoridade e os mais velhos, será mais fácil de respeitar e proteger aqueles que são mais frágeis também. Assim, seu filho entenderá qual é o espaço que ele tem dentro das relações e saberá respeitar os imites alheios e também os seus próprios.

7- Estimular a criatividade 6 dicas para estimular a criatividade das crianças - Novos Alunos

A melhor forma de estimular a criatividade das crianças é deixá-las sem nada para fazer, sem dar brinquedos – especialmente se forem eletrônicos. Desta forma, eles precisarão ser criativas para sair do tédio. Disponibilize materiais, como papel, caixas, lápis, bonecos, sucata para que elas consigam inventar a própria brincadeira.

O estimulo da criatividade é essencial para que a criança consiga resolver questões escolares como escrever bem, desenvolver pensamento complexo, conseguir elaborar situações matemáticas, além de pensar em estratégias para lidar com as dificuldades diárias. Com os anos, a criatividade deixa de ser focada com brincadeiras e passa a ser utilizada como ferramenta diária para lidar com problemas de forma prática e inteligente. A criatividade nas brincadeiras também pode ser usada para potencializar a aprendizagem, considerando nas emoções que a brincadeira desperta – Entenda e melhor lendo “Como as emoções afetam a aprendizagem”.

Se seu filho tem desenvolvido habilidades como autoconfiança, responsabilidade, empatia, autonomia e criatividade, provavelmente você está no caminho certo. Se percebe ele dependente, irresponsável, egocêntrico e pouco criativo, sem relacionamentos sociais, é momento de fazer algumas mudanças.

Author:
Teóloga e estudante de psicologia. Com experiência em dependência química, transtornos alimentares e relacionamentos conjugais e familiares.

Contact Us

Remarcações podem ocorrer até 3 hora(s) antes sem custo adicional