O que é estresse e como se livrar dele

É impossível acabar com todo o estresse da nossa vida. Por isso, preciso aprender a conviver com ele. Caso contrário, o estresse pode tomar proporções intensas e prejudicar a saúde.

Não apenas as emoções são afetadas quando se está em situações de estresse, algumas reações fisiológicas também podem ser bem desconfortáveis. Sintomas como dor de cabeça (na região da testa ou enxaqueca) e nas costas, queda de cabelo, unhas quebradiças, aparecimento de afitas e herpes, azia, entre outros sintomas.

Quando ele se torna mais intenso e frequente, provoca o enfraquecimento do sistema imunológico e facilita o adoecimento. Além disso, a liberação intensa de alguns hormônios como a adrenalina, acelera os batimentos cardíacos e aumenta a pressão arterial, podendo provocar doenças cardíacas a longo prazo.

O que é estresse?

Parece uma pergunta boba, mas muitas pessoas confundem o estresse com a ansiedade e também tem aqueles que nem percebem quando estão ficando estressados e se sobrecarregam. Saber reconhecer o próprio corpo e os sintomas que se tem quando fica estressado e também quais situações o provocam é importante para saber lidar com ele e preveni-lo.

Segundo um artigo científico escrito pelo Psiquiatra Antonio Waldo Zuardi, o estresse tem a função de preparar o organismo para enfrentar um desafio. Para isso, tem a reação fisiológica de aumentar a frequência cardíaca e respiratória, enviando mais sangue para as regiões do corpo que são responsáveis pela luta ou fuga, como braços e pernas.

Quando estressada, a pessoa tem o seu foco totalmente no presente, na situação que está acontecendo no exato momento e que a deixa irritada, nervosa ou frustrada. As reações tendem a diminuir conforme a causa estressora vai se afastando ou quando resolvem o problema que provocou o desconforto.

Além das circunstâncias externas, o modo de pensar típico de cada pessoa influencia a intensidade e a duração de um período de estresse. Se a tendencia da pessoa é ser mais negativa ou inflexível, o estresse pode ser cotidiano, pois encara a vida como um desafio. Neste caso, será preciso mudar um pouco sua visão de mundo para que o estresse seja aliviado e não cause prejuízos a longo prazo.

O que causa estresse

Insatisfação com a vida é um causador comum de estresse, devido as expectativas frustradas e a sensação de injustiça por não conquistar as coisas que almejava. Insatisfação com o casamento, com o trabalho ou com a saúde são causas comuns de estresse, pois são situações onde as pessoas têm mais dificuldade para construir mudanças. Algumas dessas circunstâncias são o plano de fundo do estresse e colabora para que ele fique mais intenso e frequente quando algo simples dá errado.

Um ambiente barulhento ou desconfortável pode colaborar para o aumento ou surgimento de estresse, bem como situações onde sente pressão para realizar algo que considera desconfortável, inapropriado ou difícil. Além disso, Selma Bordin, psicóloga no Hospital Israelita Albert Einstein, afirma que mudanças de rotina também são causadores comuns de estresse, principalmente se são derivadas de traumas.

Para analisar as causas do estresse, é necessário considerar a integralidade da saúde, não se limitando apenas às causas psicológicas. Má alimentação, puberdade, gravidez, menopausa, falta de atividades físicas e algumas patologias podem provocar algumas alterações hormonais que influenciam no humor.

Quando precisa de atendimento  psicológico?

O estresse faz parte da vida, mas em algumas situações ele precisa de um cuidado maior e tratamento psicológico. Ao contrário do que algumas pessoas podem pensar, o psicólogo não trabalha apenas com transtornos mentais graves, mas também com situações do dia-a-dia que causam qualquer tipo de sofrimento ou prejuízo ao paciente.

Quando o estresse está presente na maior parte o dia, provoca sensação de esgotamento físico e mental, em alguns casos, também é responsável pela perpetuação da insônia. Devido a esses sintomas, a pessoa com estresse sente-se cansada e sem ânimo para realizar ações cotidianas simples e, até mesmo, para fazer atividades que lhe proporciona prazer.

A sensação de não ter paz é frequente em casos em que o estresse é intenso, devido ao excesso de pensamentos involuntários que focam nos problemas e nas dificuldades. A atenção fica focada nas situações negativas e desvaloriza aquilo que é positivo.

Quando já não se tem uma causa pontual para o estresse e o encontra em diversas situações cotidianas é aconselhável um acompanhamento psicoterápico. Pois, o estresse já não tem uma causa específica e se tornou um hábito.

O que o estresse não é

  • Ansiedade: Enquanto na ansiedade a pessoa sente medo das coisas ruins que podem acontecer, no estresse sente-se frustração pelas coisas ruins que estão acontecendo.
  • Depressão: Por causar desmotivação generalizada, depressão e estresse podem ser confundidos. No estresse ainda existe uma luta para tornar o que é ruim em algo melhor, enquanto na depressão há um conformismo e uma reflexão sobre o que é considerado ruim.
  • Bipolaridade: A bipolaridade é conhecida socialmente como uma mudança brusca de humor. Quando uma pessoa estressada altera intensamente a forma como manifesta suas emoções, pode ser erroneamente percebida como bipolar. No estresse existem alguns picos de irritabilidade, onde a pessoa “explode”, essas explosões são uma consequência de se sentir sobrecarregada, não de uma alteração de humor repentina.
  • Irritabilidade: Humor irritável é diferente de estresse. No humor irritável, a pessoa está predisposta a se irritar com qualquer situação frustrante ou desafiadora se expressando violentamente assim que a identifica. No estresse, as frustrações estão sempre presentes no pensamento.

Estratégias para diminuir o estresse

Mudar o ambiente onde fica a maior parte do dia, se for possível, e o quarto onde dorme. Torná-lo mais confortável, organizado e limpo pode trazer maior sensação de controle e tranquilidade.

Aprender a respeitar os próprios limites é necessário. Saber quando está cansado e precisa relaxar ou dormir é importante para não se sobrecarregar e exigir de si mais do que é necessário.

Investir em atividades de lazer. Ainda que não pareçam tão importantes quanto trabalhar, elas interferem muito na saúde física e mental. Por isso, separe um momento do seu dia para fazer o que lhe dá prazer e não se preocupar com os problemas. Experiências comprovam que as pausas são necessárias para ter maior disposição criativa e conseguir resolver conflitos.

Tirar férias ou folgas mais longas para ir em locais de lazer – como festas, bares, cinemas, teatro, entre outros – é uma forma de sair do ambiente estressor e recarregar as energias. Sair da casa é importante para ter contato com outras pessoas. Nem sempre é preciso contato direto, o simples fato de “ver gente diferente” já colabora com a saúde mental e aumenta o senso de pertencimento social.

Utilizar algumas ferramentas como agenda, checklist e orçamento diário pode diminuir o estresse ao conseguir visualizar as tarefas. Vê-las e programá-las pode motivar a execução, estabelecendo metas e, ao final do dia, ter a satisfação de realizar tudo o que havia planejado.

Ouvir músicas ou ver mensagens que lhe provoque boas emoções pode alterar os pensamentos negativos em pensamentos motivadores. Isso dará força para continuar suas obrigações e investir em seus objetivos.

Alimentação saudável e atividade física são essenciais para diminuir os níveis de estresse, devido a influência que têm na regulação de hormônios como Serotonina e Adrenalina. Esses hormônios são responsáveis pela sensação de bem-estar.

A mudança nem sempre acontece

Não tem jeito! Algumas coisas não vão mudar, mesmo que tenhamos os motivos mais justos. As dificuldades vão continuar vindo, durante toda a vida será necessário lidar com elas. Por isso, inteligência emocional e boas estratégias se fazem necessárias.

Alguns estressores são possíveis de serem eliminados. Nem todos de forma fácil, pois a eliminação pode trazer consequências. Esse conflito de interesses é um forte causador de sofrimento, já que muitas pessoas se vêem tendo que abrir mão de algo que consideram importante. Para elas, qualquer decisão parece ruim. Isso faz  estresse aumentar e, a dificuldade em lidar com isso, revela a necessidade de uma orientação profissional.

Quando estressores são inevitáveis, como doenças crônicas ou a morte de alguém que ama, o auxílio psicológico pode se fazer expressivo. Diferente de tolerar o estresse, aprender a lidar com ele pode tornar o cotidiano mais leve.

Author:
Teóloga e estudante de psicologia. Com experiência em dependência química, transtornos alimentares e relacionamentos conjugais e familiares.

Contact Us

Remarcações podem ocorrer até 3 hora(s) antes sem custo adicional